Assine a Newsletter para receber conteúdos exclusivos

Congelamento de óvulos, uma permissão para ser vulnerável

Fundei a Oya em 2020, ano em que fiz 32 anos. Na época entendia — racionalmente — por que o Brasil precisava de uma clínica para a mulher moderna. Mas só agora, no final de 2022, realmente senti a potência desse conceito: em dezembro, fui a primeira pessoa a fazer congelamento de óvulos pela Oya Care.

O processo todo, entre estimulação ovariana com aplicação de hormônios, punção (retirada dos óvulos) e recuperação, durou quase três semanas. Durante a primeira fase, consegui levar a vida relativamente bem, convivendo com as famosas ondas de humor e mais algumas surpresas e sensações que não previa (alô libido!). Andar de Uber com ovários inchados? Nunca mais! 

A punção foi realizada no Fleury Fertilidade – nosso parceiro nessa empreitada e uma instituição que tem a minha absoluta confiança – e conduzida pela Dra. Natalia Ramos, ginecologista especialista em fertilidade que é líder clínica da Oya Care. Além disso, estava do meu lado a minha amiga-acompanhante-maravilhosa (outra coisa que não sabia: você vai precisar de uma pessoa para ser sua acompanhante, senão, não recebe alta!). Ou seja, também estava muito confortável e segura. 

Já a minha fase de recuperação foi muito pior do que eu esperava:  realmente ficar de cama por três dias (a maioria das pessoas se recupera mais rápido que eu!) e nos dias seguintes cada célula do meu corpo parecer viver em ritmo de inverno de Vivaldi.

Depois dessa maratona, o que ficou?

Ficaram 18 óvulos congelados e muitas reflexões.

A primeira reflexão veio ainda na salinha cirúrgica, quando comecei a sentir a sedação. Foi uma sensação de libertação que representava não só a minha liberdade, mas também a das gerações de mulheres que fazem parte da minha ancestralidade. Iam extrair de mim aquelas “bolinhas” que nasceram comigo, formadas ainda na vida uterina;  eu, outrora, fui também uma “bolinha” no ventre da minha mãe, que foi uma “bolinha” lá dentro da mãe dela e assim por diante.

Reverberei o encontro da deusa com a ciência através do meu corpo e da medicina. A ciência cartesiana ainda não tinha me ajudado a entender esse conceito, pois talvez seja uma questão mais quântica do que cartesiana. Quando acordei da anestesia, senti — ainda mais — amor no coração. 

Nos dias subsequentes, à medida que os hormônios iam se reorganizando, a principal sensação que tive foi de liberdade. Liberdade não para ser forte e independente, mas para ser vulnerável.

Refletindo sobre a geração das nossas avós, nas décadas do pós-guerra, fica a sensação de que elas otimizaram a vida para sobreviver. As alianças, os casamentos, as decisões: tudo isso foi pautado a partir de uma necessidade de sobrevivência.

Por sua vez, nossas mães tiveram a questão da sobrevivência mais amenizada, mas, em contrapartida, uma certa “moralidade” ganhou espaço, talvez para garantir a sobrevivência conquistada a duras penas. Quem é certo, quem é errado. Como se relacionar certo, errado. Como trabalhar certo, errado. Como criar filho certo, errado. Qual padrão de vida ter.

A nossa geração tem essa vocação também, vide a onda de cancelamentos que vivenciamos nos últimos anos. Ainda existe uma ansiedade de definir o que é certo e o que é errado que, junto com a sempre-presente-internet, numa realidade em que as novas gerações (millennial e Z) têm, na média, menos poder aquisitivo que seus pais, traz consigo o gran finale: ansiedade e exaustão da mulher moderna.

Não é à toa que a libido e a fertilidade retrocedem rapidamente entre nós.

Para quem não leu ainda, fica a dica de leitura: “Aurora: O despertar da mulher exausta”, por Marcela Ceribelli.

O que esperar do futuro?

À medida que se torna possível para cada vez mais pessoas, a decisão de fazer congelamento de óvulos deverá marcar o início de uma mudança geracional, similar àquela que vivemos com os telefones móveis. Explico:

Congelar os óvulos me libertou da necessidade de acertar, me deu permissão pra ser vulnerável. Sinto menos pressão para acertar de pronto nas minhas decisões e escolhas profissionais e pessoais, o que me permite experimentar mais, por exemplo:

  • Que tipo de trabalho quero fazer —  tenho “tempo” de testar esse aqui? E se não der certo? Tudo bem! Não tenho mais TANTA pressa de conseguir bancar casa, cachorro, filho e papagaio; 
  • Como quero viver minha sexualidade? Falo de orientação sexual, mas também de hábitos, estilos e experiências nessa área; 
  • Que tipo de pessoa ou comunidade quero ter por perto quando decidir ter filhos?; 
  • Será que eu quero ter filhos? Posso adiar essa decisão sem consequências definitivas?

Essas são perguntas para as quais estava tentando acertar a resposta de primeira. Agora, estou com a perspectiva de me permitir “errar” de primeira, de segunda…

Quando penso nas mulheres que conheço de gerações anteriores à minha, vejo mulheres fortes, que aguentaram, que lutaram para sobreviver como o “sexo frágil”, que fizeram tudo pela família, inclusive abdicar de si mesmas. Não por acaso, o feminismo hoje é mais associado à força e ao empoderamento do que à sensibilidade. Ironicamente, um ideal que muito mais se assemelha à natureza masculina que a feminina.

Mas eu não quero ‘aguentar’, não quero ‘sobreviver’. Quero ser vulnerável, sensível, flexível. Almejo o privilégio de explorar as minhas emoções, corpo e experiências para tomar decisões. 

Eu quero ter a chance de sair dos lugares confortáveis da minha psique e explorar os cantos escuros e escondidos da minha alma. Quero usar meu corpo e o meu tempo para chegar lá. Quero libertar o meu corpo do binarismo daquilo que é certo/errado e deixá-lo se divertir, me dominar — levar minha psique para passear.

Quero dançar, quero sentir, quero experimentar. Quero amar e ser amada, sem paranoia. Quero ser vulnerável, não quero ser forte. Quero ter a coragem para descobrir quem sou na minha essência.

Congelamento de óvulos pela Oya Care

Hoje lançamos o congelamento de óvulos da Oya Care, por enquanto disponível apenas para quem já é oyana. Sabemos que hoje o congelamento de óvulos ainda é um procedimento bastante caro. Por aqui, não vamos descansar até conseguir que todas as pessoas que queiram, que precisem, tenham como realizá-lo.

Se você quer saber mais sobre o tema, veja o e-book completíssimo da Oya sobre congelamento de óvulos.

Caso ainda não tenha certeza sobre o congelamento, mas quer entender mais sobre a sua fertilidade, eu recomendo a nossa Descoberta da Fertilidade. Esse é o serviço da Oya que te ajuda a entender onde no seu corpo está a linha do tempo da fertilidade, e te dá a oportunidade de pensar e planejar o que é melhor pra você com um de nossos especialistas.

Vamos juntas?

Responda todas as suas dúvidas

Nossa equipe de ginecologistas especializados em fertilidade, ginecologia endócrina e sexualidade pode te ajudar

Conheça a Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais

Leia também

Ano novo, novos hábitos. Será?

Conforme amadurecemos e evoluímos em nossa jovem vida adulta, vamos entendendo qual o tipo de rotina faz sentido para o nosso estilo de vida, quais práticas contribuem para nosso bem

Balanço de fim de ano

Giuliana Giordano faz uma reflexão sobre nossa forma de lidar com as metas de fim de ano

Conheça a Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais

plugins premium WordPress