Assine a Newsletter para receber conteúdos exclusivos

Quanto custa uma fertilização in vitro em 2024? Veja valores!

De acordo com a Rede Latinoamericana de Reprodução Assistida, o Brasil lidera o ranking dos países latinoamericanos que mais realizam a fertilização in vitro (FIV). Ao longo dos últimos 25 anos, foram mais de 83 mil bebês nascidos a partir dessa técnica. Mas quanto custa uma fertilização in vitro em 2023? Será que ela é acessível?

As técnicas de reprodução assistida vêm ganhando cada vez mais espaço, dentro e fora do país, já que oferecem a possibilidade de uma gestação para pessoas que não podem (ou não desejam) engravidar naturalmente. Apesar de serem procedimentos de valor mais elevado, o custo da FIV não é tão alto quanto se imagina.

Quer saber mais? A Oya te conta tudo o que você precisa saber sobre quanto custa uma fertilização in vitro em 2023. Confira!

Qual o preço da fertilização in vitro?

Definir o valor de uma fertilização in vitro no Brasil não é uma tarefa simples. Em primeiro lugar, porque existem muitos fatores que influenciam na variação de preço, como localização da clínica (algumas regiões do país têm um custo de ida mais elevado que outras, e isso interfere no valor da FIV), infraestrutura, honorários médicos etc.

Depois, porque essa é uma informação que não costuma ser divulgada pelas clínicas de reprodução assistida, o que torna mais difícil saber a média de valores nacional. Em geral, isso acontece porque os custos de cada serviço variam de acordo com a avaliação prévia dos pacientes, dos exames clínicos e do que está incluso quando falamos em FIV — em alguns casos, por exemplo, é divulgado apenas o preço do procedimento, excluindo-se todos os gastos paralelos com medicação e laboratórios.

Na Oya, porém, acreditamos que informação é sinônimo de autonomia. Por isso, somos transparentes com o preço da nossa fertilização in vitro: R$28.500,00, que podem ser parcelados em até 12 vezes no cartão de crédito, ou pagos por boleto, transferência e PIX. Nesse valor, está incluso:

  • Orientações gerais e suporte durante toda a jornada da FIV, ao lado de uma equipe especializada em reprodução assistida;
  • Escolha do protocolo e adequação da dosagem de medicamentos;
  • Medicamentos e vitaminas para todo o tratamento;
  • Todas as consultas de acompanhamento;
  • Avaliação periódica do crescimento dos folículos por ultrassom transvaginal;
  • O processo de fertilização in vitro em si;
  • Todas as taxas laboratoriais;
  • O processamento seminal;
  • As sedações para procedimentos de pequeno porte;
  • O congelamento de embriões, independentemente da quantidade de embriões ou palhetas de congelamento;
  • A transferência embrionária.

Ou seja: você não tem nenhum custo extra na hora de realizar a fertilização in vitro, além de passar por todo o tratamento com apoio, segurança e todas as informações de que precisa. E mais: para quem já tem óvulos congelados, o valor é menor: R$16.000,00, com as mesmas condições de pagamento e parcelamento.

Com esses dados em mãos, você pode construir um planejamento financeiro alinhado com os seus objetivos. E, se precisar, também pode conversar com a nossa equipe de cuidados, para tirar todas as suas dúvidas.

Posso fazer a fertilização in vitro pelo SUS?

Sim, mas não é muito fácil chegar lá. A gente explica: o Sistema Único de Saúde (SUS) inclui a fertilização in vitro na sua lista de serviços que devem ser ofertados gratuitamente. No entanto, são poucos os hospitais públicos do Brasil que oferecem o procedimento.

Além disso, na maioria dos casos, embora a FIV seja gratuita, o valor de medicamentos e outros procedimentos costuma ser cobrado. Ou seja: ela não é totalmente livre de custos, especialmente para quem espera conseguir fazer o procedimento sem nenhum investimento financeiro.

Nos hospitais públicos que realizam a fertilização in vitro, a lista de espera pode levar de dois a sete anos. O processo também costuma ser burocrático e cheio de regrinhas, o que exclui uma parcela das pessoas interessadas. Por fim, o número de tentativas permitidas para cada pessoa é limitado.

Vale lembrar, ainda, que os planos de saúde também não cobrem a fertilização in vitro. Assim, a melhor opção é mesmo se organizar financeiramente e encontrar uma clínica que ofereça condições de pagamento que cabem na sua realidade.

Por que a fertilização in vitro é tão cara?

Existem muitos fatores que influenciam o preço de uma FIV. Alguns deles são:

  • Consultas e exames, necessários para avaliar a saúde das pessoas envolvidas no processo, bem como sua fertilidade;
  • Honorários médicos, que costumam ser mais altos porque se trata de um serviço altamente especializado;
  • Infraestrutura da clínica, que deve manter condições mínimas para que todo o procedimento seja feito com segurança e acolhimento;
  • Medicamentos usados para a estimulação ovariana, em geral produzidos por clínicas específicas;
  • Congelamento de óvulos, parte opcional da FIV, mas que pode ser útil para o caso de serem necessárias novas tentativas;
  • Procedimentos adicionais, como análise embrionária, para avaliação da saúde genética do embrião.

Por fim, a cidade e estado onde o procedimento será realizado também costumam influenciar o preço final da FIV

Ou seja: não é simples explicar por que a fertilização in vitro é um procedimento tão caro, mas podemos afirmar que são vários os cálculos feitos para chegar ao número final. Daí a importância de se preparar financeiramente e começar a planejar a gravidez com antecedência.

Quais são as etapas da fertilização in vitro?

A fertilização in vitro é uma das técnicas de reprodução assistida mais utilizadas no Brasil e no mundo, e suas etapas não costumam ser muito longas. O primeiro passo, porém, é conversar com uma médica especialista em reprodução humana para garantir que a FIV é a opção mais indicada para o seu caso — afinal, existem muitas outras no mercado.

As etapas desse procedimento são as seguintes:

  1. Estimulação ovariana: é necessário aumentar a produção de óvulos para ampliar o número de óvulos coletados. O protocolo de estimulação pode variar de acordo com o caso da paciente, mas, em geral, envolve a aplicação (feita em casa!) de uma medicação específica, através de injeções, durante 10 ou 15 dias.
  2. Coleta de óvulos: Depois de estimulados, os óvulos precisam ser coletados. Esta etapa é feita no consultório, com auxílio de anestesia e de agulha guiada por ultrassom;
  3. Congelamento de óvulos: Esta etapa é opcional, mas pode ser interessante, caso seja necessário fazer mais de uma rodada de FIV. Confira se vale a pena fazer o congelamento;
  4. Fertilização in vitro: Os óvulos coletados são fertilizados com o esperma do doador;
  5. Manutenção do embrião: Depois da fertilização, é preciso garantir que o óvulo evoluiu direitinho e se transformou em um embrião. É aqui que são feitas as análises genéticas do embrião, para determinar se ele é viável ou não.
  6. Preparação do endométrio: O endométrio é a camada mais interna do útero, onde o embrião se fixa no início da gravidez. A preparação é semelhante à estimulação ovariana, ou seja, são usados medicamentos específicos.
  7. Transferência do embrião: O embrião (ou embriões) com maior chance de se fixar ao endométrio é escolhido e transferido para o útero.

Depois de todo o processo da FIV, a pessoa pode retornar às atividades de rotina. Lembre-se: é comum sentir um pouco de inchaço na região, além de cólicas leves. 

Como saber se estou grávida, depois da FIV?

O primeiro teste de gravidez por beta HCG (ou seja, aquele do exame de sangue) é feito, em geral, 12 dias depois da transferência do embrião. No entanto, pode ser necessário refazê-lo com certa frequência, para confirmar a gravidez. Quando o positivo chega, a pessoa pode ser encaminhada para um obstetra, que seguirá com o acompanhamento da gestação.

Caso não haja um teste de gravidez positivo até 14 dias após a transferência, pode-se considerar que a rodada da fertilização in vitro não deu certo. Assim, a paciente é orientada a parar os medicamentos e suplementações, para voltar a menstruar normalmente. Uma nova rodada de FIV pode ser feita no ciclo menstrual seguinte.

É importante ter em mente que as chances de sucesso da FIV variam de acordo com a idade das pessoas que passam pelo procedimento. Assim, para cada embrião, as chances são de:

  • 32% para mulheres com menos de 35 anos;
  • 25% para mulheres de 35 a 37 anos;
  • 19% para mulheres de 38 a 39 anos;
  • 11% para mulheres de 40 a 42 anos;
  • 5% para mulheres de 43 a 44 anos;
  • 4% para mulheres com mais de 44 anos.

De acordo com as novas resoluções do Conselho Federal de Medicina, a quantidade máxima de embriões que podem implantados também varia com a idade: para mulheres de até 37 anos, são permitidos apenas 2; para mulheres acima dessa faixa, são permitidos 3 embriões por rodada. Além disso, a idade máxima para passar por tratamentos de reprodução assistida, como a FIV, continua sendo de 50 anos para a maioria dos casos.

Por isso, se você está tentando engravidar aos 40, portanto, pode ser que tenha mais dificuldades para que esse processo aconteça de primeira. Isso é normal, e não significa que você deve parar de tentar, tá?

Quero fazer uma FIV. Por onde começar?

Se você já sabe que quer fazer uma fertilização in vitro e que este é o tratamento mais indicado para o seu caso, é hora de encontrar a clínica ideal. Para isso, você pode contar com a Oya Care, já que a FIV é um dos nossos serviços de reprodução assistida. Mas atenção! Esse serviço só está disponível na nossa clínica física em São Paulo (SP).

Com a Oya, você passa por uma consulta com uma médica especialista em reprodução humana e pode tirar todas as suas dúvidas. Depois de fazer todos os exames para entender como anda a sua fertilidade, você recebe o kit de estimulação ovariana e começa a se preparar.

Todo o processo é feito com o máximo de acolhimento e cuidado, para que você se sinta confortável e tenha todas as informações de que precisa. Para entender em detalhes como ele acontece, pode conferir o depoimento do congelamento de óvulos de uma das nossas oyanas.

Ficou interessada? Fale com a nossa equipe de cuidados pelo WhatsApp ou agende uma consulta hoje mesmo!

ESCRITO POR

COM APOIO CIENTÍFICO DE

Responda todas as suas dúvidas

Nossa equipe de ginecologistas especializados em fertilidade, ginecologia endócrina e sexualidade pode te ajudar

Conheça a Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais

Leia também

Conheça a Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais