Assine a Newsletter para receber conteúdos exclusivos

Escape menstrual: quando acontece? Devo me preocupar?

Escape menstrual, sangramento de escape, spotting, sangramento intermenstrual: existem muitos nomes para aquele sangramento inesperado e de cor levemente diferente que pode aparecer fora do nosso período menstrual. Apesar de ser, na maioria das vezes, inofensivo, ele pode causar bastante estresse. Afinal, por que a gente está menstruando fora de época?

A Oya adianta: não precisa se preocupar. Os sangramentos de escape são bastante comuns e podem ter diferentes causas. Mas, para te explicar direitinho como e por que eles acontecem, e quando é o caso de buscar ajuda profissional, nós elaboramos este conteúdo super completo. Vamos juntas?

O que é o escape menstrual?

O escape menstrual, também conhecido como sangramento de escape ou spotting, é um sangramento vaginal que acontece fora da fase do ciclo menstrual conhecida como “menstruação”. 

Ou seja: ele é um sangramento “fora de época”. Por isso mesmo, costuma ter características próprias, que tornam mais fácil identificá-lo. Por exemplo: 

  • o escape menstrual costuma ter uma consistência diferente, em geral mais rala; 
  • a quantidade de sangue durante o escape também costuma ser menor do que na menstruação;
  • a cor do sangue de escape não costuma ser vermelha, tendendo mais para o marrom ou para o rosa bem clarinho;
  • o sangramento de escape desaparece sozinho e dura menos tempo que uma menstruação normal.

Sangramento de escape ou início da menstruação: qual a diferença?

Por ser um sangramento mais claro e menos intenso, é comum que o escape menstrual seja confundido com o início da menstruação. Daí a importância de acompanhar o seu ciclo menstrual de perto, uma vez que o escape costuma acontecer entre uma menstruação e outra.

O ciclo menstrual padrão, com 28 dias, tem início no primeiro dia de menstruação, que pode durar entre 3 e 7 dias (em média). Depois dela, as demais fases do ciclo têm início: a fase folicular, a fase de ovulação (momento em que a gravidez pode acontecer) e a fase lútea. Por fim, é hora de começar tudo de novo, com outra menstruação.

O sangramento de escape acontece, portanto, justamente nessa “janela” entre menstruações. E a principal diferença entre ele e o sangramento leve que marca o início da menstruação, além do momento, é que o escape menstrual costuma durar pouco e acabar sozinho, sem ser seguido pela menstruação “comum”.

Imagine, por exemplo, que você teve um sangramento no domingo. Se ele não aparece novamente na segunda, mas a sua menstruação começa na terça, esse sangramento não é considerado de escape, e sim o início da menstruação.

Se, por outro lado, você tem um sangramento no domingo e ele dura até terça-feira, mas você só menstrua de fato na terça-feira da semana seguinte, ele pode ser considerado um escape de menstruação.

Mas atenção: se você está tendo sangramentos menstruais recorrentes, às vezes menstruando duas vezes no mesmo mês, é importante buscar ajuda profissional. 

Por que temos escapes menstruais?

As causas dos sangramentos de escape estão, em geral, associadas a pequenas alterações no ciclo menstrual. Abaixo, você entende melhor as quatro principais razões pelas quais o escape de menstruação acontece. Olha só:

1. Pode ser um efeito colateral do seu método contraceptivo

Os métodos contraceptivos hormonais podem ter como efeito colateral o escape menstrual, sobretudo durante os 6 primeiros meses de uso. Para os métodos de uso contínuo, esse risco é um pouquinho maior. Nesse caso, você pode pensar que o escape é o seu corpo se habituando a não ter mais os ciclos menstruais.

Para quem usa contraceptivos orais combinados (como a pílula anticoncepcional), o tempo de escape costuma ser um pouco menor: em cerca de 2 meses após o início do tratamento, ele já desaparece. Se, porém, ele continuar por muito mais tempo que isso, vale conversar com a sua ginecologista: pode ser que aquela pílula não seja a mais indicada para você.

E lembre-se: esquecer de tomar a pílula anticoncepcional também pode causar sangramentos de escape. Afinal, os seus níveis de hormônios caem de forma inesperada e bem rápida. 

O uso de DIU hormonal, como o DIU mirena ou o DIU Kyleena, também pode gerar sangramento de escape, tanto após a colocação, quanto durante o uso. Nesse caso, assim como acontece com a injeção anticoncepcional e o Implanon, é mais difícil prever quando esses sangramentos podem acontecer e por quanto tempo. Ou seja: é importante ficar atenta ao seu ciclo e conversar com a sua ginecologista em caso de alguma anomalia.

2. Pode ser indicativo de alguma doença ginecológica

Doenças ginecológicas, como a síndrome do ovário policístico, os pólipos uterinos e o mioma uterino, também podem causar sangramentos inesperados fora do ciclo menstrual. Nesses casos, porém, também é comum que a pessoa apresente outros sintomas, como:

Se você se enquadra em um desses casos, é fundamental buscar orientação ginecológica para investigar qual é o problema e iniciar o tratamento adequado.

3. Pode indicar uma infecção sexualmente transmissível

Algumas infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), como lesões no colo uterino por HPV, também podem gerar um sangramento vaginal entre menstruações. Nesses casos, a pessoa infectada pode apresentar outros sintomas, como:

  • corrimento vaginal;
  • dor durante a relação sexual;
  • ardência ou dor para fazer xixi.

Se não tratadas, essas doenças podem evoluir para um caso de Doença Inflamatória Pélvica (DIP), que requer mais atenção e cuidados médicos. A DIP é uma das principais causas de infertilidade feminina e pode gerar problemas durante a gestação, além de requerer internação em casos mais graves.

Por isso, além da testagem para ISTs como parte dos seus exames de rotina ginecológica, é indispensável o uso da camisinha em todas as relações sexuais. Para pessoas com vulva que se relacionam com outras pessoas com vulva, também existem cuidados de saúde sexual que podem ser tomados.

4. Pode indicar gravidez

Durante as primeiras semanas da gravidez, não é incomum apresentar escape menstrual. Isso acontece devido às alterações hormonais geradas pela gravidez, como o aumento da produção de progesterona.

Mas não precisa ficar preocupada: esses sangramentos não costumam ser indicativos de que algo está errado e não aumentam as chances de um abordo espontâneo. Mas atenção: se o sangramento foi muito intenso ou muito frequente, é fundamental conversar com a sua médica para entender o que está acontecendo e quais medidas tomar.

Além disso, sangramentos acompanhados de outros sintomas, como dor abdominal de um lado, dor nos ombros e/ou náuseas, podem significar gravidez ectópica. Nesses casos, você deve buscar ajuda médica imediatamente. 

Qual a relação entre estresse e sangramentos de escape?

Nossa mente tem um enorme poder sobre o nosso corpo — principalmente quando o assunto é estresse e fertilidade. E períodos de muita tensão são famosos por ocasionar efeitos colaterais não esperados, como o atraso da ovulação, a ausência completa de menstruação ou mesmo os sangramentos de escape.

Isso acontece porque o aumento de cortisol (o “hormônio do estresse”) causa um desequilíbrio nos nossos níveis hormonais, o que afeta o ciclo menstrual. Daí a importância de regular esses índices com uma dieta equilibrada e atividades físicas frequentes, diminuindo as chances de surpresas como essa.

Ter sangramentos de escape é normal?

De modo geral, sim. Afinal, na maior parte dos casos, o escape menstrual é resultado de alguma mudança — na rotina ou nos métodos anticoncepcionais — e costuma desaparecer sozinho, sem grandes eventos. 

No entanto, é preciso ficar alerta aos sinais do seu corpo para saber se aquele sangramento é mesmo uma eventualidade. Isso porque sangramentos recorrentes, mesmo que com curta duração, podem ser sintomas de diagnósticos mais sérios.

Portanto, quando pintar um sangue na calcinha que não deveria estar ali, pergunte-se: isso costuma acontecer com frequência? Rolou alguma alteração na sua vida nos últimos dias? O quão perto você está da sua última ou da próxima menstruação? Você apresentou outros sintomas, além desse sangramento? 

Por via das dúvidas, porém, você pode sempre agendar uma consulta online com ginecologista, para conversar sobre o seu caso e receber orientações mais claras. Desse jeito, você garante que está tudo bem diretamente com um profissional, sem respostas prontas.

Posso ter escape de menstruação mesmo tomando anticoncepcional contínuo?

Sim! Este é, na verdade, um efeito colateral bem comum do uso de anticoncepcionais contínuos, seja a pílula anticoncepcional, sejam métodos mais definitivos, como o DIU ou o Implanon. 

Em geral, é normal lidar com escapes por até 6 meses após a mudança para um novo método contraceptivo. A depender do motivo pelo qual você está recorrendo a ele, a sua ginecologista pode te orientar também sobre outros efeitos colaterais comuns. 

Isso acontece porque o nosso corpo passa por um período de adaptação aos novos níveis hormonais. Daí o inchaço, a mudança na libido, a presença ou ausência de acne e, é claro, o sangramento de escape.

Se, porém, o escape menstrual continuar por muito tempo, for muito intenso ou te der a sensação de que algo pode estar errado, não perca tempo: converse com a sua ginecologista e investigue o que está acontecendo!

Tenho escapes menstruais com cólica. Procuro ajuda?

O escape menstrual, quando acompanhado de cólica e dores abdominais, pode ser um sintoma de doenças ginecológicas mais graves, como os miomas uterinos e os pólipos. Por isso, se ele é recorrente, ou se o fluxo do sangramento é grande, você deve, sim, buscar ajuda.

Uma médica ginecologista será capaz de examinar melhor o seu caso e identificar a presença de miomas, pólipos ou outros problemas ginecológicos que podem ser a causa do sangramento incomum. Para isso, é provável que você faça alguns exames, como a ultrassonografia transvaginal, para que ela tenha uma visão mais clara do seu sistema reprodutor.

Quantos dias dura o escape menstrual?

O comum é que o escape menstrual não dure mais do que um ou dois dias, no máximo. Como o próprio nome anuncia, ele é um sangramento que “escapou” e, portanto, não é recorrente e não deve ser “parado” de forma medicamentosa, como acontece com a menstruação, por exemplo. 

Se você está com um sangramento não-menstrual por mais tempo que isso, é fundamental procurar uma médica. Ainda que o fluxo do sangramento seja baixo para o seu padrão menstrual, é preciso investigar as suas causas e garantir que está tudo bem com a sua saúde.

O escape de menstruação pode ser gravidez?

Sim. O sangramento de escape que acontece no início da gravidez pode ser um efeito das mudanças hormonais pelas quais o corpo passa. Com a alteração dos níveis de hormônios, é comum que a pessoa apresente uma “menstruação” fora de época.

Durante as primeiras semanas de gravidez, pode haver, ainda, um outro pequeno sangramento, em geral mais claro e menos espesso do que a menstruação: é a “nidação”, que acontece durante a fixação do embrião no revestimento uterino. Nesses casos, o sangramento costuma vir bem pertinho da data de concepção do futuro bebê, ou seja, mais perto do período de ovulação da mulher.

Diferenciar o escape da nidação não é simples, já que ambos podem acontecer na mesma época e têm aspectos similares. Por isso, além de conhecer bem o seu corpo e o seu ciclo menstrual, é importante fazer um teste de gravidez em caso de dúvida, ou buscar ajuda da sua médica. 

Como parar o escape menstrual?

O escape menstrual costuma cessar sozinho. Isso significa que não é necessário tomar nenhuma medicação ou chá para que ele acabe. 

Na verdade, se o seu escape é muito recorrente ou dura muitos dias, a ponto de você buscar alternativas para “cortá-lo”, isso pode ser um sinal de alerta. O ideal é procurar ajuda médica o mais rápido possível, para garantir que esse sangramento não é um sintoma de alguma doença ginecológica mais grave e não está prejudicando a sua saúde.

Vale lembrar, também, que existem formas seguras de parar de menstruar, e que o sangramento de escape não é a menstruação. Por isso, se você usa métodos anticoncepcionais contínuos e estranhou o sangramento, fique tranquila: ele pode ser apenas um efeito colateral do seu método contraceptivo e deve desaparecer sozinho em, no máximo, dois dias.

Tenho escape menstrual com frequência. E agora?

O escape menstrual não deve ser uma ocorrência frequente na sua vida. Embora ele não seja, na maioria dos casos, motivo para preocupação, isso só acontece porque ele é um evento isolado. Ou seja: se os sangramentos de escape começam a aparecer todos os meses, é provável que alguma coisa esteja errada.

Nesse caso, vale a pena agendar uma consulta com a sua ginecologista. Ao lado dela, você pode realizar todos os exames necessários para investigar doenças ginecológicas que têm como sintoma o sangramento fora de época, além de tirar todas as suas dúvidas e explicar direitinho os seus sintomas.

Se você não costuma ir à ginecologista e fica insegura diante dessa possibilidade, não precisa se preocupar: basta conferir o nosso conteúdo sobre a primeira consulta com uma ginecologista para entender direitinho tudo o que pode acontecer (e o que não pode, também!). 

E lembre-se: a Oya oferece cuidado humanizado com profissionais treinadas para ouvir as suas dores sem julgamentos e sem respostas prontas. Entre em contato com a gente por WhatsApp ou agende a sua consulta (online ou presencial em São Paulo) pelo nosso site!

ESCRITO POR

Dra. Natalia Ramos Seixas

REVISADO POR

Dra. Natalia Ramos Seixas

A Dra. Natalia Ramos Seixas é a líder médica da Oya Care, especialista em fertilidade e reprodução humana.

Responda todas as suas dúvidas

Nossa equipe de ginecologistas especializados em fertilidade, ginecologia endócrina e sexualidade pode te ajudar

Conheça a Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais

Leia também

Conheça a Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais