O que é reserva ovariana? Como saber quantos óvulos eu tenho?

Só pelo nome, já é possível matar uma parte da charada: falar de reserva ovariana é falar sobre a quantidade de óvulos que temos de “estoque” aqui no nosso organismo. Ou seja, falar em reserva ovariana significa pensar em um dos fatores que determina a nossa vida fértil

Essa é a definição do termo, mas para entender como tudo funciona, é importante mergulharmos um pouquinho mais fundo aqui dentro – isso mesmo, dentro de você. Então vem com a Oya entender um pouco mais sobre o assunto!

O que é essa tal reserva ovariana?

Quem nasce com ovários, já chega nesse mundo com todos os óvulos que vai ter na vida. Esse “estoque”, como nós falamos ali na introdução, é a tal reserva ovariana, que começa a ser utilizada a partir da primeira menstruação e vai diminuindo ao longo da vida até zerar, na menopausa. 

Apesar de ser muito difícil estabelecer um número exato, especialistas acreditam que a gente nasce com cerca de 300 mil óvulos, que amadurecem ao longo do tempo, mas são também “descartados”, pouco a pouco, a cada menstruação.

Sim, essa reserva ovariana não nasce pronta só esperando a hora da fecundação (ou da menstruação, caso não haja gravidez). Para chegar lá, seus óvulos precisam passar por um processo de maturação, que tem início na puberdade e acontece em paralelo com a etapa talvez mais assustadora desse processo: o tal descarte que mencionamos agora pouco.

Temos uma boa e uma má notícia: 

  • a boa notícia é que esse processo de diminuição da quantidade de óvulos é natural e serve para identificar os gametas mais saudáveis (ou seja, com mais chances de render uma gravidez bem sucedida) e descartar aqueles que não estão aptos para a missão;
  • o lado um pouco menos positivo da história é que essa diminuição da sua reserva ovariana não pode (nem deve) ser parada ou interrompida de acordo com seu planejamento reprodutivo.

Contudo, hoje já temos a possibilidade de retardar um pouco esse processo para que ele não atrapalhe seus planos de engravidar no futuro. Uma das alternativas é manter hábitos saudáveis que ajudam a manter a qualidade dos óvulos; outra, um pouco mais complexa (mas longe de ser fora da realidade) é preservar sua fertilidade com o congelamento de óvulos.

Como está minha reserva ovariana?

Depois de todas essas informações, nada mais natural do que se perguntar em que ponto você está nessa linha do tempo. No entanto, é impossível saber exatamente quantos óvulos (ou melhor, folículos ovarianos) uma pessoa possui – mas dá para estimar por alguns parâmetros oferecidos pelo organismo.

Para falar sobre reserva ovariana, falaremos sobre AMH ou HAM, siglas que usamos para o hormônio antimülleriano. É ele quem dá a pista mais relevante para estimarmos o “estoque” de cada pessoa.

Todo mês, uma parte do nosso cérebro chamada hipófise envia um sinal para os ovários para que haja um recrutamento folicular. Isso significa que nosso corpo elege células imaturas do nosso ovário para que elas atinjam a maturidade, se tornando os folículos pré-antrais, e em seguida os folículos antrais. 

O AMH é produzido por estes folículos imaturos, e, por isso, ele reflete como está nossa reserva ovariana. Ou seja, nosso“estoque” de óvulos.

@oya.care

Você sabia que a sua fertilidade é finita? Pois é, a sua reserva ovariana é limitada! E quanto antes você descobrir qual o tamanho da sua, melhor. Conheça a Descoberta da Fertilidade da Oya Care pelo link da bio e embarque hoje mesmo nessa jornada de autoconhecimento!

♬ Aesthetic – Tollan Kim

Nós não passamos pela adolescência e vivemos aquele momento de transformações graças a um monte de hormônios? Nossos óvulos também, mas em vez de anos (como com a puberdade) esse processo acontece durante alguns dias do seu ciclo menstrual, com um pequeno grupo de células – os folículos – a cada mês.

Um destes folículos (unidades funcionais responsáveis por armazenar os óvulos) é eleito para se tornar o folículo dominante – e é ele que atingirá a maturidade, que ocorre aproximadamente no 14º dia do ciclo menstrual. 

Essa fase muita gente já conhece, que é a da ovulação: quando o folículo se rompe para liberar o óvulo maduro, que poderá ou não ser fecundado por um espermatozoide. 

Por isso mesmo (por essa capacidade de refletir quantos folículos ainda temos para amadurecer), a dosagem do hormônio antimulleriano (feita pelo exame AMH) é utilizada para estimarmos o tamanho da reserva ovariana no corpo de cada pessoa.

O exame AMH é nosso parceiro para entender em que pé você está na sua vida fértil e a partir dessa informação dá pra traçar planos muito mais realistas para o futuro

Tá, mas eu consigo saber quantos óvulos eu tenho?

Como adiantamos anteriormente, ao contrário do que muita gente pensa, avaliar a reserva ovariana não é a mesma coisa que descobrir quantos óvulos você tem. Isso porque ainda é impossível obter uma resposta exata para essa pergunta, em números absolutos.  

Pasme: o homem já pisou na lua, mas certas informações sobre o corpo feminino continuam um mistério. 

Mas não é por isso que a nossa conversa sobre fertilidade feminina deve acabar por aqui! Hoje é possível avaliar nossa vida fértil a partir de uma série de fatores: o histórico de saúde, os ciclos menstruais, a idade e, claro, pelo exame AMH.

Quanto mais hormônio AMH eu tiver mais fértil eu sou?

Depende. Um certo nível de AMH no organismo pode significar uma coisa para uma mulher de 35 anos e outra coisa completamente diferente para uma mulher de 27. Para entender isso melhor, dá uma olhadinha no gráfico aqui embaixo:

Ilustração de um copo com linhas e círculos representando a reserva ovariana. Na imagem, há o texto: "Copo cheio (por volta do nascimento), mais ou menos 38 anos (já gastou 3/4 dos óvulos), mais ou menos 45 a 51 anos (copo vazio)"

Moral da história: além do exame de sangue, para entender como está sua reserva ovariana você precisa também de um especialista da sua confiança pra fazer essas relações, compartilhar elas com você, além de avaliar outros possíveis fatores da sua saúde que podem interferir na sua fertilidade espontânea.

É que os valores que a gente considera ideais em um exame AMH podem variar com a idade e, além disso, existem outros fatores que influenciam muito na hora de entender como está a vida fértil de cada pessoa do sexo feminino. 

Um exemplo? Qualidade também importa! Então, não adianta ter uma super reserva ovariana se esses ovinhos não têm as características fundamentais para viverem uma boa vida quando maduros. A qualidade dos óvulos também diminui com o tempo, mas não para por aí.

O que influencia tanto na qualidade quanto na quantidade desses óvulos? Estilo de vida (alimentação, exercícios e sono contam muito aqui) e histórico médico e familiar. 

Minha dosagem do hormônio antimulleriano (AMH) está baixa, sou infértil? 

O exame AMH não define o seu diagnóstico de infertilidade. Na verdade, sabia que o único jeito de saber se você é fértil ou não é… tentando engravidar. Não existe um “teste de fertilidade”.

E mesmo assim, a não ser em casos extremamente específicos, a infertilidade é mais uma condição (que em boa parte dos casos pode ser mudada) do que um diagnóstico definitivo.

Sendo assim, uma pessoa com reserva ovariana baixa pode, sim, gerar uma vida. O resultado do exame significa que ela tem um prazo menor para decidir o momento de fazer isso do que uma pessoa com uma dosagem maior. E mesmo com essas informações, só mesmo uma avaliação individualizada é capaz de bater esse martelo com precisão.

Em outras palavras, a dosagem do AMH é uma alternativa que te ajuda a ter mais consciência sobre o seu corpo, deve ser avaliado por médica ou médico especialista em fertilidade e pode mostrar se você deve ou não procurar imediatamente algumas alternativas para engravidar (como o congelamento de óvulos, a fertilização in vitro e outros).  

Com essas informações na sua mão, você tem muito mais liberdade e autonomia para fazer suas escolhas, não importa quais elas sejam.

Quero engravidar! Como eu descubro como está a minha reserva ovariana?

A Oya, primeira clínica virtual da saúde feminina do Brasil, tá aqui pra te ajudar com tudo isso e você nem precisa sair de casa para se consultar com um dos nossos especialistas em fertilidade. Bom né?

Para descobrir a quantas anda a sua reserva ovariana e quais as suas chances de ficar grávida de forma natural, nós criamos a Descoberta da Fertilidade, uma avaliação preventiva da sua vida fértil a partir da reserva ovariana. Com ela você tem acesso:

  • Ao Exame AMH, que analisa a sua reserva ovariana através do sangue coletado e que, dependendo da cidade onde você mora, pode ser feito no conforto da sua casa;
  • Consulta online com especialistas que vão te ajudar a entender o resultado do exame;
  • Um relatório personalizado com o resumo do que descobrimos juntas.

Isso tudo com até 100% de reembolso pelo plano de saúde.

Juntas nós podemos entender como está sua reserva ovariana e debater quais as melhores opções para os seus planos de vida e a sua realidade. Vem com a gente!

ESCRITO POR

Responda todas as suas dúvidas

Nossa equipe de ginecologistas especializados em fertilidade, ginecologia endócrina e sexualidade pode te ajudar

Conheça a Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais

Leia também

como me descobri no meu corpo

Como me descobri no meu corpo

Um convite a autodescoberta feminina e todas as suas camadas: da percepção do corpo, da mente, da sexualidade e da fertilidade

Conheça a Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais