Transei sem camisinha, e agora? 

“Vai ser só essa vez”, “A camisinha atrapalha”, “Esqueci, mas não tem problema”: quantas vezes a gente já ouviu (ou falou!) pelo menos uma dessas frases pra tentar justificar transar sem camisinha? Embora a prática seja muito comum, principalmente entre os mais jovens, ela pode representar um risco à saúde.

A gente não vai ser hipócrita: é claro que o sexo sem camisinha pode acontecer (e acontece). Mas isso não significa que essa deva ser uma prática comum, ou que a gente vai ficar tranquila quando o calor do momento passar, né?

Se você transou sem camisinha e bateu aquele desespero, fica tranquila. A Oya te conta o que fazer depois de transar sem proteção, quais são os riscos e como você deve proceder caso desconfie de alguma infecção sexualmente transmissível (IST). 

O que fazer depois de transar sem proteção?

Não dá pra negar que o sexo sem camisinha, mesmo que seja evitável, também é parte da nossa cultura. Não só somos socializadas a acreditar que a camisinha “atrapalha” o prazer, como cada vez mais deixamos de lado esse tipo de proteção, principalmente em relacionamentos mais longos.

Ainda assim, seja no calor do momento, seja em um namoro estável, transar sem camisinha pode gerar uma série de preocupações. Por isso, se você está passando por isso, a gente te ajuda a entender o que fazer depois do sexo. Olha só:

Pra garantir que você não contraiu nenhuma IST

Depois de transar sem camisinha, pode pintar aquele pânico: e se eu tive contato com alguma doença? Não precisa se preocupar: a maioria das Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) podem ser evitadas em mais de 90% dos casos, quando a gente busca ajuda em até 72h após a relação.

Basta ir até uma Unidade Básica de Saúde, explicar a situação e solicitar a PEP: Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Essa é uma medida de urgência pra evitar a infecção pelo vírus da aids e está disponível de forma totalmente gratuita. A partir dela, é preciso fazer uso dos medicamentos por 28 dias e, depois, testar para HIV 30, 60 e 90 dias após o início do tratamento. 

Além do HIV, também é uma boa realizar o teste de sífilis e de Hepatites B e C. Você também pode tomar a vacina contra a hepatite B, se ela estiver disponível. 

Por fim, vale a pena ficar de olho em sintomas que podem indicar a presença de infecções sexualmente transmissíveis, como feridas genitais ou corrimentos anormais. Em caso de qualquer suspeita, fale imediatamente com um profissional de saúde.

Se você acha que tem o risco de engravidar

Depois de fazer sexo sem camisinha e pra evitar uma gravidez indesejada, você pode tomar a pílula do dia seguinte. Mas a gente precisa te lembrar que esse é um método emergencial e que tem efeitos colaterais bem chatinhos, como:

  • Náuseas e vômitos;
  • Vertigem;
  • Dor de cabeça;
  • Dor nas mamas.

Se o sexo sem proteção é um costume na sua rotina, a pílula do dia seguinte não é a melhor forma de evitar uma gravidez. Em vez disso, vale a pena investir em um contraceptivo hormonal ou em um contraceptivo de barreira, sem hormônios.

Além disso, o uso excessivo da pílula do dia seguinte pode ter efeitos a longo prazo, como a diminuição da eficácia. Ou seja: além de estar jogando uma bomba de hormônios no seu corpo, as chances de ela não funcionar aumentam bastante.

Quais os riscos de transar sem camisinha?

O sexo sem camisinha, embora seja uma prática muito comum no Brasil, ainda apresenta diversos riscos para a saúde das pessoas envolvidas. Olha só os principais:

Em primeiro lugar, as chances de contrair uma IST

Principalmente para quem não tem parceiros fixos, as chances de contrair uma Infecção Sexualmente Transmissível aumentam muito ao transar sem camisinha. Afinal, esse é o único método que protege contra as ISTs. 

De acordo com os dados mais recentes do IBGE em parceria com o Ministério da Saúde, 0,6% da população brasileira contraiu pelo menos um tipo de IST no período de um ano. O número pode parecer pequeno, mas, na verdade, não é: foram mais de 1 milhão de casos. 

A pesquisa mostra, ainda, que só 22% das pessoas entrevistadas usaram camisinha em todas as relações sexuais. Por outro lado, 59% afirmou transar sem camisinha todas as vezes

Depois, a possibilidade de uma gravidez indesejada

Transar sem camisinha também é um fator que aumenta as chances de uma gravidez indesejada. Uma pesquisa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) apontou que 62% das mulheres do Brasil já lidaram com pelo menos uma gravidez não planejada.

Dessas, 54% afirmou não usar nenhum método contraceptivo, mas uma parcela das entrevistadas também alegou uso incorreto ou falha do tipo de contraceptivo escolhido. 

Embora a camisinha não seja 100% eficaz, ela é a melhor opção pra quem não usa nenhum tipo de contraceptivo. O modo mais indicado de evitar uma gravidez, porém, é a partir do uso combinado de um anticoncepcional e da camisinha.  

Só transo com uma pessoa. Ainda preciso usar camisinha?

Depende. Especialistas na área de saúde indicam que, para casais monogâmicos e livres de infecções sexualmente transmissíveis, as chances de infecções sexualmente transmissíveis praticamente não existem, o que tornaria “seguro” transar sem camisinha.

No entanto, é preciso ter em mente que algumas ISTs demoram para se manifestar, podendo ficar incubadas por anos. É o caso, por exemplo, do HPV. Assim, a testagem regular ainda é importante. Além disso, as chances de transmissão nunca são nulas.

Os parceiros sexuais também precisam estar em um relacionamento longo para que o sexo sem camisinha seja considerado seguro. E nunca é demais lembrar que estudos mostram que a infidelidade é um fenômeno relacional comum.

Vale lembrar, ainda, que as chances de uma gravidez indesejada também aumentam quando não há uso da camisinha. Então, se você quer garantir que não vai engravidar, ainda é mais seguro usar a camisinha, mesmo tendo um parceiro fixo.

E se a minha parceira também tiver vulva?

No caso do sexo entre duas pessoas com vulva, o uso da camisinha tende a ser deixado de lado. No entanto, é preciso manter em mente que pessoas com vulva também podem transmitir infecções sexualmente transmissíveis, então alguns cuidados devem ser tomados.

Em primeiro lugar, a testagem regular (1 vez ao ano) para ISTs é importante. Se o sexo envolve qualquer tipo de penetração, mesmo que apenas de vibradores e outros brinquedos sexuais, também é importante realizar o papanicolau anualmente.

Além disso, você deve estar atenta a qualquer sinal de machucados, manchas ou sintomas diferentes, que podem indicar a presença de ISTs. Cortes nos lábios e dedos também são portas de entrada para infecções, então vale a pena ter cuidado e, quem sabe, investir em luvas de látex.

Por fim, é fundamental o uso da camisinha em brinquedos sexuais. E vale lembrar que deve haver troca do preservativo sempre que o brinquedo for trocado de pessoa, tá? Assim, todo mundo se protege como deveria.

E se eu desconfiar de uma IST depois de transar sem camisinha?

Se você transou sem camisinha e, algum tempo depois, começou a desconfiar que pode ter contraído alguma infecção sexualmente transmissível, é hora de procurar ajuda médica

Quando essa impressão surge nas primeiras 72 horas, ainda dá tempo de evitar contrair a doença. Pra isso, basta ir até uma Unidade Básica de Saúde e solicitar atendimento médico. Depois de explicar a situação, você vai ser orientada a tomar alguns remédios e fazer alguns testes.

Se, porém, você ficou desconfiada depois desse período, o ideal é ir direto em um/a ginecologista. Principalmente se você já apresenta sintomas clássicos das ISTs — como corrimento com cor ou cheiro estranhos ou machucados na região íntima —, pode ser que precise de mais orientações, além de exames específicos.

Para agendar uma consulta com um profissional especializado, a Oya pode te ajudar. O SOS Ginecologia da Oya é focado em atendimentos com urgência, que acontecem em até 24 horas e de forma totalmente online

A nossa equipe vai saber te orientar em relação aos sintomas e exames que devem ser feitos, de forma acolhedora e respeitosa. Além disso, a gente te ajuda a interpretar os resultados na sua consulta de retorno, e te orienta em cada uma das etapas desse processo. Vamos juntas?

ESCRITO POR

COM APOIO CIENTÍFICO DE

Responda todas as suas dúvidas

Nossa equipe de ginecologistas especializados em fertilidade, ginecologia endócrina e sexualidade pode te ajudar

Conheça a Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais

Leia também

Quando começar a tomar anticoncepcional? 

Está pensando em começar a tomar a pílula anticoncepcional, mas não sabe se é o momento certo? Quer conhecer outras opções de contraceptivo? Vem que a Oya te ajuda!

Conheça a Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais