Quais os exames para detectar endometriose? Conheça 5!

A endometriose é uma das doenças ginecológicas mais comuns no Brasil, atingindo entre 5 e 15% da população em idade reprodutiva. Ela é caracterizada pelo crescimento de tecido semelhante ao endometrial em outros lugares que não o útero, o que causa dor e possíveis dificuldades para engravidar.

Apesar de ser muito comum, chegar ao diagnóstico da endometriose não é tão simples assim. Isso porque os sintomas da doença também estão presentes em outros problemas ginecológicos, e porque encontrar os focos de endometriose também não é tarefa fácil. No entanto, hoje, já contamos com alguns exames para detectar a endometriose.

Quer saber mais? A Oya Care preparou um conteúdo super completo sobre exames que devem ser feitos para identificar a endometriose, como eles funcionam e o que fazer em caso de suspeita da doença. Continue lendo e saiba mais!

Qual exame fazer para saber se tenho endometriose?

Se você desconfia que pode ter endometriose, o primeiro passo é encontrar uma ginecologista de confiança para investigar a doença. 

Abaixo, você conhece os 5 exames mais indicados para detectar a endometriose e entende direitinho como cada um deles funciona. Confira!

Exame clínico para detectar endometriose

O primeiro exame a ser realizado é o exame clínico. Ele acontece no próprio consultório da ginecologista e faz parte dos nossos exames de rotina ginecológica. É a partir dele que a sua médica decide se você precisa realizar mais exames para chegar ao diagnóstico de endometriose. Funciona assim: 

Depois de passar por uma primeira conversa com a sua médica (a “anamnese”, na qual ela identifica os seus sintomas e conhece um pouco mais sobre o seu estilo de vida), você será solicitada a tirar a roupa e colocar um avental descartável. Em seguida, deve deitar em uma maca, onde terá início o exame.

O exame vulvo-vaginal (também chamado de “exame de toque”) possibilita que a médica avalie toda a sua região íntima, desde a vulva (parte externa) até a vagina (parte interna). Nesse processo, a ginecologista pressiona uma das mãos em seu abdômen e insere um ou dois dedos na sua vagina.

Desse modo, ela é capaz de avaliar a presença de diversas doenças, inclusive a endometriose, no útero e nos ovários. Mas a gente avisa: esse exame pode ser um pouquinho desconfortável para algumas pessoas, então lembre-se de ser transparente com a sua médica caso sinta algum desconforto.

Além disso, tenha em mente que, para a sua segurança, você pode solicitar um acompanhante durante esse processo, seja uma pessoa que foi com você, seja uma enfermeira ou técnica da própria clínica.

Exames laboratoriais para detectar endometriose

Os exames laboratoriais para detectar a endometriose consistem no acompanhamento do fator CA-125. Por isso, pode ser solicitado que você faça um exame de sangue para identificar a quantidade dessa proteína na sua corrente sanguínea.

Valores altos dessa proteína podem indicar a presença de endometriose. Mas atenção: sozinho, o fator de CA-125 não basta para o diagnóstico da doença. Isso significa que é preciso complementar este exame com outros.

Exames de imagem para detectar endometriose

São dois os exames de imagem que podem ser solicitados para detectar a endometriose: a ultrassonografia transvaginal e a ressonância magnética de pelve. Entenda cada um deles a seguir!

Ultrassonografia transvaginal

O ultrassom transvaginal também pode ser considerado um exame de rotina. Nela, em um laboratório especializado, um profissional especializado introduz um instrumento específico, similar a uma varinha, na sua cavidade vaginal. Para isso, utiliza-se um preservativo descartável e lubrificante, mas ainda pode haver algum desconforto. 

Em seguida, é possível visualizar, em um monitor, todos os seus órgãos, e identificar o crescimento anômalo de tecido.

Para a realização da ultrassonografia transvaginal, não é necessário nenhum preparo específico, mas recomenda-se estar de bexiga vazia.

Ressonância magnética da pelve

A ressonância magnética da pelve é um exame um pouco mais específico e não costuma ser indicado rotineiramente. Nele, é necessário deitar em uma cama que “entra” em um aparelho de ressonância magnética. Mas não se preocupe: normalmente, você fica com a cabeça e os braços para fora.

Uma vez na máquina, são produzidas as imagens dos seus órgãos internos. A ressonância magnética é mais assertiva nessa produção de imagens, o que possibilita investigar a endometriose com mais detalhes. Por exemplo: é a ressonância que possibilita detectar a endometriose intestinal. 

Além disso, é comum que a máquina faça um barulho um pouco alto, mas o exame não causa nenhum tipo de dor. Ainda assim, a preparação para a ressonância magnética de pelve pode ser um pouco chatinha. Recomenda-se o uso de laxantes na noite anterior ao exame, além de jejum. 

Por fim, logo antes da realização da ressonância, é necessário introduzir um gel específico na cavidade vaginal, com auxílio de uma seringa própria para isso. O gel é responsável por tornar as imagens mais nítidas ao longo do exame, facilitando o diagnóstico.

Isso significa que, apesar de ser um procedimento que não causa dor, você pode sentir um pouquinho de desconforto antes e depois do processo. Ainda assim, essa é a forma mais eficaz de confirmar a presença de endometriose e acompanhar o seu crescimento.

Exames definitivos para detectar endometriose

A videolaparoscopia também pode ser considerada um exame para detectar a endometriose. No entanto, por se tratar de um procedimento cirúrgico, é comum nos referirmos a ela como um “exame definitivo”, que identifica a presença da doença e possibilita a sua correção.

Para a videolaparoscopia, é necessário que a cirurgiã ginecológica faça um corte no abdome, por onde será inserida uma pequena câmera. Em seguida, em um visor, pode-se identificar os focos da endometriose.

Neste procedimento, a paciente fica sedada e o exame acontece em ambiente cirúrgico. Por isso, o valor tende a ser um pouco mais alto. 

Quais são os principais sintomas da endometriose?

Os principais sintomas da endometriose são:

No entanto, é preciso ter em mente que os sintomas de endometriose são muito comuns a outras doenças ginecológicas, o que pode interferir no diagnóstico. Ainda assim, lembre-se de que sentir dor não é normal e, portanto, qualquer um desses sintomas deve ser informado à sua ginecologista.

Como é o ciclo menstrual de quem tem endometriose?

A endometriose causa uma desregulação do ciclo menstrual considerado “comum”, ou seja, que dura 28 dias. Isso significa que pacientes que apresentam a doença costumam ter ciclos irregulares, às vezes ficando sem menstruar durante longos períodos ou menstruando duas vezes no mês com frequência.

Além disso, a presença de endometriose pode causar um fluxo menstrual mais intenso. No entanto, essa relação não acontece para todas as pacientes.

Lembre-se que os sintomas da endometriose podem ser mais fortes no período pré-menstrual. Por isso, é comum que as pacientes apresentem TPMs intensas, cólicas muito fortes e, em alguns casos, dores pélvicas incapacitantes. Nesse cenário, é comum que sejam receitados medicamentos que ajudam a controlar os sintomas, como a pílula anticoncepcional.

Mas atenção: o ciclo menstrual irregular também pode indicar outras doenças ginecológicas, como a presença de cistos no ovário. Por isso, é fundamental consultar uma ginecologista e buscar o diagnóstico correto.

Como é a barriga de quem tem endometriose?

Um dos possíveis sintomas da endometriose é a distensão abdominal. Nesses casos, a paciente fica com a barriga bastante inchada e com a sensação de estar cheia, podendo ou não sentir dor. 

Essa distensão é mais comum na fase do ciclo menstrual conhecida como “fase lútea”, ou seja, aquele período pré-menstrual, mas não está limitada a ela. Ela acontece, em geral, graças ao processo inflamatório causado pelas células de endométrio fora do útero. Também costuma estar mais ligada a pacientes com endometriose intestinal.

Mas lembre-se: apenas uma médica ginecologista pode avaliar a distensão abdominal e recomendar formas seguras de tratar esse sintoma. 

O que fazer em caso de suspeita de endometriose?

Caso você apresente sintomas de endometriose, é fundamental buscar a ajuda de uma ginecologista. Afinal, esses sintomas podem ser indicativos de várias doenças ginecológicas além da endometriose, o que requer um diagnóstico atento e a realização dos exames corretos.

Vale pontuar, contudo, que esse processo pode ser longo, já que a endometriose não é uma doença facilmente identificada. Além disso, é necessário que o tratamento leve em consideração formas de aliviar a manifestação dos sintomas, que podem ir de mudanças do estilo de vida ao uso de medicamentos específicos.

Para quem deseja ter filhos, é importante ter em mente que é possível engravidar com endometriose. No entanto, a manifestação dessa vontade deve ser feita à ginecologista, para que possam ser avaliadas as possibilidades de preservação da fertilidade, como o congelamento de óvulos.

Em todo caso, porém, é fundamental ter uma equipe preparada para lidar com esse diagnóstico, e que vai estar ao seu lado durante o processo. Com a Oya Care, você conversa com uma médica especialista no assunto e que pode te orientar de qualquer lugar do Brasil.

Para saber mais, você pode entrar em contato pelo WhatsApp ou agendar uma consulta pelo nosso site. Vamos juntas?

ESCRITO POR

Dra. Juliana Sperandio

REVISADO POR

Dra. Juliana Sperandio

A Dra. Juliana Sperandio é a líder de cirurgias da Oya Care e especialista em endometriose, miomas, pólipos e cirurgias ginecológicas minimamente invasivas.

Responda todas as suas dúvidas

Nossa equipe de ginecologistas especializados em fertilidade, ginecologia endócrina e sexualidade pode te ajudar

Conheça a Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais

Leia também

Conheça a Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais